Governo eleva valor do imóvel comprado com o FGTS para R$ 1,5 milhão
Voltar para o blog

Governo eleva valor do imóvel comprado com o FGTS para R$ 1,5 milhão

Pacote de medidas visa a estimular a aquisição da casa própria pela classe média e passa a valer em 1° de janeiro de 2019.

A poucos meses das eleições, o governo anunciou nesta terça-feira um pacote de medidas para estimular a compra da casa própria voltado, principalmente, para as famílias de classe média. Os trabalhadores com saldo no FGTS poderão financiar imóvel de até R$ 1,5 milhão em todo o país. Além disso, o governo mudou normas para obrigar os bancos a usarem os recursos depositados na caderneta de poupança para financiamento imobiliário e criou uma forma de incentivar que as instituições financiem imóveis de até R$ 500 mil. Essas medidas, aprovadas ontem pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), passarão a valer a partir de 1º de janeiro de 2019 e devem colocar R$ 80 bilhões em novos empréstimos ao logo dos próximos seis anos.

O teto de R$ 1,5 milhão já havia vigorado temporariamente entre fevereiro e dezembro de 2017. Desde 2 janeiro deste ano, o limite de financiamento foi reduzido para R$ 950 mil, em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e para R$ 800 mil nas demais regiões do país. Além de expandir, a nova norma não faz mais distinção entre as grandes capitais e os municípios do interior do país.


O CMN também acabou com o limite de R$ 1,5 milhão para financiamentos com recursos da caderneta de poupança. A partir da mudança, os interessados poderão financiar a compra de imóveis de qualquer valor.
Além disso, o CMN mexeu com as regras para os recursos direcionados - que precisam, obrigatoriamente, ser investidos no setor habitacional. Hoje, as instituições financeiras são obrigadas a destinar R$ 52 para operações dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) de cada R$ 100 depositados nas cadernetas de poupança. A partir do ano que vem, esse dinheiro não precisa ser emprestado para imóveis dentro do sistema. Na prática, os bancos poderão usar esses recursos para financiar casas e apartamentos mais caros.

Correção até pela inflação

O CMN permitiu, ainda, que os bancos façam operações atreladas a outros índices que não sejam a Taxa Referencial (TR). Ou seja, financiamentos de habitações podem ser corrigidos, por exemplo, pela inflação. Isso não está limitado ao teto de R$ 1,5 milhão. O banco poderá ofertar empréstimos para qualquer tipo de imóvel com outros indicadores.
Segundo o diretor de Regulação do Banco Central, Otávio Damaso, isso não deve aumentar o custo para o mutuário. Ele ressaltou que os bancos já estão longe do limite de cobrar 12% ao ano de juros para a compra da casa própria.
Outra medida foi incentivar o financiamento de imóveis abaixo de R$ 500 mil. Nestes casos, a instituição poderá abater 20% do que emprestarem dentro da exigência de aplicação da poupança. Ou seja, em vez de destinar R$ 52 de cada R$ 100 depositados na poupança, vai direcionar apenas R$ 41,60, sobrando mais dinheiro para outras transações.
Damaso ressaltou que o limite de R$ 500 mil foi estabelecido porque representa a maior parte do déficit habitacional do país. Para ele, essa é a mudança que deve ter o maior impacto no mercado imobiliário.

Segundo o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins, o pacote de medidas vai beneficiar principalmente a classe média.
Para o empresário Rubens Menin, presidente do conselho da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), a principal vantagem das medidas é incluir “no jogo” mais gente, porque as condições do crédito imobiliário ficarão mais acessíveis.
Leonardo Schneider, presidente da Secovi Rio, sindicato que reúne empresas do setor imobiliário, disse que a iniciativa é boa para o setor, que vive um momento delicado. Para ele, as medidas vão facilitar a aquisição de unidades em grandes centros urbanos, o que deve impulsionar o setor.

- Vai permitir uma recuperação. Nos últimos doze meses, os preços dos imóveis no Rio tiveram uma queda entre 7% e 10%. As novas medidas vão trazer mais incentivos - disse Schneider.

Segundo Claudio Hermolin, presidente da Ademi (Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário), as iniciativas vão permitir que mais famílias tenham acesso ao mercado imobiliário com o uso dos recursos do FGTS. Além disso, lembrou Hermolin, haverá outro efeito:

- Haverá uma maior concorrência entre os bancos, o que tende a reduzir a taxa de juros para esse segmento. O benefício será para todo o país. Claro, que cidades onde há um maior emprego formal e maior peso do funcionalismo público tendem a ser mais beneficiados - afirmou Hermolin.

O setor imobiliário vem sofrendo com as baixas vendas e alto volume de estoque. Segundo dados da Brasil Brokers, o número de unidades lançadas entre o primeiro trimestre de 2017 e os três primeiros meses deste ano subiu de 330 para 1.536. Porém, o volume de imóveis em estoque saltou de 47 para 815 unidades. Com vendas em baixa, o volume de vendas chegou nos primeiros três meses a R$ 5,089 bilhões, menor que os R$ 6,208 bilhões do início de 2017.

- Sem dúvida, as iniciativas são importantes, pois abre o leque para que mais pessoas consigam comprar imóveis. Isso vai estimular o mercado, pois o setor está sofrendo muito - pontuou Ronaldo Cury, vice-presidente do Sinduscon-SP.]

Fonte: O Globo.

Outros posts

  1. Prize realiza Semana da Mulher

    Prize realiza Semana da Mulher

    Uma semana especial para homenagear as mulheres. A Semana da Mulher Prize contou com ações contra a violência e happy hour. No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a Imóveis Prize...

  2. Imóveis Prize completa um ano

    Imóveis Prize completa um ano

    Há um ano realizamos um sonho. Estar no mercado imobiliário com uma proposta diferenciada de atendimento. Ser Prize! Fizemos deste primeiro ano, um ano de inovação com uma equipe especializada...

  3. COMUNICADO: novas regras para emissão de boletos bancários

    COMUNICADO: novas regras para emissão de boletos bancários

    Para mais informações entre em contato pelo telefone: 3026.3400

Imóveis Prize Venda

Prize
55 3026-3400
Plantão Venda
55 99919-3400

Imoveis Prize Locação

55 3026-3400
Plantão Locação
55 98160-6206

Imóveis Prize Venda

Plantão Venda
55 99919-3400

Imoveis Prize Locação

Plantão Locação
55 98160-6206
|